Ter um empreendimento pode ser o desejo de muitas pessoas. Seguir o caminho da atividade empresarial, porém, é algo que deve ser feito com cuidado. Somente uma ideia não sustenta a abertura do negócio. É preciso planejamento, recursos humanos, modelos de empreendimento e muito mais. Preparamos esse texto para que você aprenda os primeiros passos de uma startup.

Ter uma ideia de negócio

Ter uma ideia genial não é suficiente para abrir uma startup. É preciso construir uma ideia de negócio. Em outras palavras, é preciso materializar aquilo que está só na mente. Tirar do papel. Você possui habilidades e competências para tornar isso real? Se ainda não sabe, converse com o máximo de pessoas possível. Participe de eventos para buscar e trocar impressões e informações. Só assim é possível pensar na ideia de forma prática.

Validar a ideia com potenciais consumidores

Para saber se a ideia de negócio é sólida, é preciso validá-la. Uma boa ideia, com a ajuda de recursos financeiros, nem sempre sustentará um negócio. Por isso, quem determinará o sucesso é o consumidor. Por isso, após encontrar a ideia, é preciso saber as opiniões de potenciais clientes sobre ela. Essa abordagem é um bom indicativo do que pode vir a ser o empreendimento.

Formar um time competente

Uma ideia boa é preciso ser executada. Para tanto, é preciso estar ao lado de pessoas competentes. Ao reunir um time com habilidades em gestão, tecnologia, operações e vendas, o empresário já está bem “equipado” para dar início à abertura do negócio.

Fazer um acordo de sócios

Se você encontrou um bom time para sua startup, deve pensar em como eles se encaixam no modelo de negócio. Em muitos casos, os interessados compram a ideia e se tornam sócios. A partir daí, é fundamental realizar um acordo de acionistas para evitar qualquer problema. Qualquer desentendimento ou eventual saída de sócios possui previsão formal.

O acordo de sócios é fundamental antes da abertura do negócio. Ele também pode ser a base para outros contratos, como o vesting.

Em outras palavras, o problema precisa ser uma “dor de cliente monetizável”. Os investidores querem saber que existe um potencial real para construir um negócio atendendo ao problema descrito.


Testar modelos de negócio

O próximo passo da abertura do negócio é testar modelos. Para saber como sua ideia será executada, é preciso simular cenários para validar as hipóteses. Nem sempre é preciso ter o produto totalmente desenvolvido. Pesquisas preliminares, ofertas não-automatizadas, pré-venda e outras formas de teste são interessantes.

Assim, é possível construir versões viáveis do produto que será ofertado. Nesta etapa, a ideia é encontrar o modelo de negócio escalável. O potencial de crescimento é formado por clientes, proposta de valor, parceiros, relacionamento, fontes de receita e outros elementos.

Compreender métricas

Só é possível gerir o que pode ser medido. Por isso, compreender as métricas é fundamental na abertura do negócio. A análise serve como bússula do empreendimento e ajuda a otimizar o modelo definido. Os marketplaces, por exemplo, utilizam como métrica o número de transações realizadas. Lembre-se sempre de estabelecer métricas válidas.

Profissionalizar a execução e captar investimentos

O modelo de negócio está indo bem? Uma startup é, por natureza, uma empresa escalável com alto potencial de crescimento. Então, com o modelo definido, é preciso profissionalizar a execução. Para tanto, construa estratégias para ir ao mercado e ganhar espaço. Foque no melhor nicho e região, e estabeleça os melhores canais de comunicação.

Além disso, busque capital para escalar o negócio. Faça um plano para captar recursos, sem se esquecer dos contratos de investimento. Qual o formato adotar? Qual o tipo de investimento ideal nesse momento de abertura do negócio? E a participação societária? Há muitas opções para captar recursos e acelerar o processo de crescimento!

É muito importante que, nessa fase, o empresário obtenha auxílio profissional. É uma forma de evitar colocar a startup em risco ao abrir a empresa para investimentos.

eBook: Guia de investimentos para Startups

Baixe nosso eBook e entenda questões como valor atribuído, rodadas de investimento e tipos de investimento para startups!

Construir e manter a cultura empresarial

A cultura empresarial de uma startup é muito particular dada a natureza do negócio. Flexibilidade, agilidade e escalabilidade atraem talentos pela autonomia própria do empreendimento. Isso cria uma cultura eficaz. Os profissionais se atraem não só pelo fator financeiro, mas pelo propósito. É preciso, portanto, cuidar dessa cultura empresarial mesmo com o crescimento. Valorize sempre os profissionais.
Da ideia à abertura do negócio, a startup passa por fases de solidificação e crescimento. Para ser um sucesso, é preciso captar investimentos e ampliar horizontes. Com auxílio profissional especializado em startups, é possível fazer isso de forma segura. Você está pronto?